Noticias

Treinamentos UaiRisk jun jul

 

A Controladoria-Geral do Estado de Minas Gerais (CGE), por meio da Auditoria-Geral, está realizando uma série de treinamentos com o objetivo de capacitar agentes públicos em exercício nos órgãos e entidades do Poder Executivo do Estado de Minas Gerais para atuarem como gestores de riscos em contratações públicas, utilizando o UaiRisk.

O sistema UaiRisk foi desenvolvido pela CGE a fim de auxiliar servidores e gestores durante todo o processo de gerenciamento dos riscos nas compras públicas. Por meio da ferramenta, é possível realizar todo o mapeamento dos riscos nas contratações, incluindo a identificação, a avaliação e o tratamento dos ricos, bem como o monitoramento de todo o processo licitatório.

Até o momento, cerca de 50 gestores de acesso e 420 gestores de contratações de diversos órgãos e entidades do Estado foram capacitados. Durante os treinamentos, o sistema é apresentado aos participantes em forma de passo a passo, habilitando os gestores a realizarem todo o mapeamento dos riscos no próprio sistema, de forma automatizada.

Os treinamentos foram ministrados pelo superintendente de auditoria em programas, gestão de riscos, de pessoal e previdência da CGE-MG, Armando Noé Carvalho de Moura Júnior. A próxima turma está prevista para o dia 29 de julho e será destinado aos auditores internos da CGE.

 

Benchmarking

Nos meses de maio e junho, a CGE Minas realizou encontro de benchmarking com as equipes da Contadoria e Auditoria-Geral do Estado do Rio Grande do Sul (Cage), da Controladoria-Geral do Estado de Goiás (CGE-GO) e da Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado do Ceará (CGE). 

O objetivo das reuniões foi apresentar o sistema UaiRisk e compartilhar boas práticas acerca da Política de Gestão de Riscos nas Contratações Públicas adotada na administração pública do Estado de Minas Gerais. 

Os encontros aconteceram virtualmente e foram conduzidos pelo Auditor-Geral da CGE-MG, Igor Martins da Costa, e da auditora interna da CGE-MG e chefe do núcleo de coordenação de auditoria contínua e de ações transversais, Cynthia Vieira.

CGE CAGE UAIRISK

Imagem: Reunião CGE e CAGE, realizada em 23/05/2024.

 

Para mais informações sobre o UaiRisk, entre em contato pelo endereço Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 
 

Mat Coneci MP

O documento já está disponível para consulta e pode ser acessado aqui.

O Conselho Estadual de Controle Interno de Minas Gerais (Coneci-MG), com o apoio do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), publicou Cartilha orientativa sobre as vedações durante o período eleitoral de 2024. O objetivo do documento é informar agentes políticos em exercício nos órgãos e entidades do Estado e municípios acerca das condutas que não devem ser praticadas no período de eleições municipais.

A cartilha baseia-se na Lei Federal nº 9.504, de 1997, conhecida como Lei das Eleições, e conta com diversos exemplos práticos e explicações resumidas sobre as principais vedações durante o período eleitoral, fornecendo aos gestores públicos as ferramentas necessárias para prevenir irregularidades e garantir o respeito às regras eleitorais.

A cartilha está sendo distribuída gratuitamente no formato digital.

 

Baixe aqui!

 

Sobre o Coneci-MG

O Conselho Estadual de Controle Interno de Minas Gerais (Coneci-MG) é uma associação de direito privado que reúne controles internos do Poder Executivo do Estado de Minas Gerais e dos Poderes Executivo e Legislativo dos municípios mineiros, com o intuito de promover a integração, a cooperação técnica, o compartilhamento de informações e a articulação entre seus membros, além de incentivar a adoção de boas práticas de governança e de gestão pública.

O Coneci-MG é uma iniciativa da Controladoria-Geral do Estado de Minas Gerais (CGE) em parceria com as Controladorias Municipais do estado.

 
 
 
 
 

IMG-20240704-WA0056.jpg

A Secretaria Executiva do Conselho de Ética Pública de Minas Gerais (Conset/MG) realizará o Treinamento Introdutório para novos membros de Comissão de Ética nos dias 9 e 10 de julho, das 9h às 12h, por meio de videoconferência na plataforma Teams. 

O treinamento abordará temas essenciais, incluindo Conceitos de Ética, Ética Profissional e do Agente Público, Instrumentos do Estado para Gestão da Ética, o Papel do Conselho e das Comissões de Ética, Procedimentos Éticos, Planos de Ação das Comissões de Ética, Conflitos de Interesse, Ética X Correição e a Importância da Ética no ambiente de trabalho.

O evento é destinado principalmente aos recém-designados nas comissões, mas está aberto a todos os interessados no tema. As inscrições podem ser feitas no sistema CGE Eventos. Os participantes receberão certificado de conclusão.

Serviço: Treinamento Introdutório para novos membros de Comissão de Ética
Datas: 9 e 10 de julho de 2024
Horário: 9h às 12

Formato: On-line
Inscrições: https://eventos.cge.mg.gov.br/inscricao/informacao/496

V SDAS

A Controladoria-Geral do Estado de Minas Gerais (CGE) e o Instituto Mineiro de Direito Administrativo (IMDA) promoveram, ontem (3/7), a 5ª edição do Seminário de Direito Administrativo Sancionador. O evento reuniu autoridades e especialistas para debater sobre responsabilização de agentes públicos, lei anticorrupção, integridade e inovações na prática correicional.

A iniciativa faz parte do Plano de Prevenção de Ilícitos Administrativos da CGE e acontece anualmente desde 2020. O objetivo da agenda é atuar de forma preventiva, capacitando e orientando agentes públicos para inibir a prática de ilícitos e promover a integridade pública.

Durante a solenidade de abertura do evento, o governador Romeu Zema destacou a importância do seminário. "Faço questão de participar todos os anos deste seminário para mostrar que essa ação deve ser contínua. Precisamos orientar, prevenir e conscientizar. Afinal, para termos um combate à corrupção efetivo, precisamos fiscalizar", enfatizou Romeu Zema.

 O governador também frisou que Minas Gerais é referência na Lei Anticorrupção, sendo o terceiro estado do país que mais executa a legislação. Até o momento, 67 empresas que agiram contra o Estado foram processadas e mais de R$ 11 milhões em multas foram aplicadas. "A Controladoria-Geral do Estado, na minha gestão, tem sido cada vez mais robustecida por que, caso algo ocorra, precisamos punir exemplarmente e rapidamente para que o possível problema não perdure. E, inclusive, para que sua correção tenha um efeito didático”, destacou.

Também participaram da cerimônia de abertura do evento o presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), desembargador Luiz Carlos Corrêa Junior; o controlador-geral do estado, Rodrigo Fontenelle; o presidente do IMDA, Geraldo Spagno Guimarães; o advogado-geral do estado de Minas Gerais, Sérgio Pessoa de Paula Castro e o vice-presidente do BDMG, Antônio Claret de Oliveira Junior.

 

Conferência magna

O presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), desembargador Luiz Carlos de Azevedo Corrêa Junior, proferiu a palestra magna sobre "Termo de Ajustamento Disciplinar", mecanismo já adotado pela Corte mineira e agora regulamentado pelo Conselho Nacional de Justiça.

"É uma discussão muito importante porque, hoje em dia, na atividade censória dos tribunais, na atividade disciplinar, se nós conseguirmos buscar também a conciliação e recompor um eventual dano causado à prestação jurisdicional, é até mais importante do que aplicar a sanção", disse o presidente.

 

10 anos da operação Lava Jato

O primeiro painel do evento discutiu as perspectivas, avanços e contradições dos 10 anos da operação Lava Jato. Durante o debate, a professora Marjorie Corrêa Marona e o Procurador Federal Vinicius de Carvalho trouxeram pontos de vistas sobre o aprimoramento do combate à corrupção e a evolução da integridade empresarial no Brasil.

O painel foi mediado pela moderadora Maria Fernanda Pires. Em sua fala, a professora destacou que a Lava Jato foi importante para o país e que não deve ser esquecida “devemos olhar para esse capítulo da história dispostos a aprender, apreender e continuar na luta contra a corrupção”, defendeu.

“Todos nós somos operadores contra a corrupção, seja como operadores do direito ou como membros da sociedade. Do ponto de vista sociológico, a corrupção é um problema da condição humana. Nem mesmo os países com os menores índices de corrupção estão isentos desse mal. Entretanto, a corrupção pode ser mitigada. Por isso a prevenção, o controle e a punição são instrumentos importantes para o direito administrativo sancionador”, concluiu.

As palestras foram disponibilizadas no canal da CGE no YouTube. Assista aqui.

 

Painel de debates

O seminário contou, ainda, com palestra do Corregedor-Geral da União (CGU), Ricardo Wagner. O corregedor ministrou sobre consequencialismo jurídico e a sua aplicação na esfera correcional e compartilhou boas práticas adotadas pela CGU. Ricardo Wagner também reforçou a importância da prevenção nas controladorias e nas corregedorias para o combate à prática de ilícitos na administração pública. Também participaram do painel o Procurador-Geral da Câmara Municipal de Belo Horizonte, Fabrício Souza, e a advogada Bruna Corombaroli.

O uso da Inteligência Artificial e seus reflexos no direito administrativo sancionador foi tema do último painel de discussões do evento. O professor Marcos Nóbrega expôs, de forma humorada, os benefícios da IA para a automatização de processos. Nóbrega defendeu que as inovações tecnológicas devem estar aliadas ao fator humano.

“A melhor maneira de mitigar o impacto das alucinações de IA é interrompê-las antes que aconteçam. É fundamental que tenhamos a capacidade de compreender os detalhes por trás do funcionamento de determinado algoritmo, garantindo que o conteúdo gerado pela IA atenda a padrões de qualidade específicos”, explicou.

Após a exposição do professor Marcos Nóbrega, o Analista de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, Pedro Henrique Azevedo, ministrou palestra abordando os usos da IA para o órgão de controle e para o jurisdicionado e defendeu a importância da responsabilidade tecnológica. O painel contou com mediação do ⁠subcontrolador de Correição de Belo Horizonte, Daniel Martins. Assista aos painéis aqui.

O V Seminário de Direito Administrativo Sancionador contou com o apoio institucional da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Minas Gerais (CBMMG) e da Rede Minas.

 

Joomla Gallery makes it better. Balbooa.com

 
 
 
 

PSI Evento

A Controladoria-Geral do Estado de Minas Gerais (CGE) acaba de publicar a Política de Segurança da Informação (PSI) do órgão. Instituído pela Resolução CGE nº 9, de 28 de junho de 2024, o normativo apresenta uma série de diretrizes e práticas que visam proteger informações e dados produzidos e armazenados no âmbito da CGE. A implementação da PSI assegura a integridade, a confidencialidade e a disponibilidade dos dados, além de proteger dados sensíveis, garantir a continuidade dos serviços, cumprir regulamentações legais e preservar a reputação do órgão.

O documento foi apresentado aos servidores da CGE na manhã desta segunda-feira (01/07), durante evento de lançamento realizado no Auditório do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG). Em sua fala, o controlador-geral, Rodrigo Fontenelle, ressaltou a importância do engajamento dos servidores com a Política.

“É fundamental que todos os servidores conheçam as melhores práticas de segurança da informação e saibam identificar ameaças. Nesse sentido, a PSI contribui para a integridade, a transparência e a excelência na gestão pública, garantindo um ambiente seguro e confiável”, destacou.

O evento contou, ainda, com palestra do gerente de segurança, arquitetura e governança digital da Unimed-BH, Fernando Corrêa de Oliveira, e do professor e coordenador da Faculdade XP Educação, Maximiliano de Carvalho. Durante os ciclos de palestras e debate, foram abordados temas como os usos da Inteligência Artificial e a importância da privacidade e do tratamento de dados para a reputação das instituições públicas e privadas.

Também participaram da mesa de abertura do evento o subsecretário de transformação digital e atendimento ao cidadão da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais (Seplag-MG), Rodrigo Diniz Lara; o diretor de governança de tecnologia da informação da Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais (SEF-MG); o coordenador do Comitê de Governança de Tecnologia e Segurança da Informação da CGE, Marlon de Souza Reis; e o diretor de tecnologia da informação e comunicação da CGE, Nery Pope.

 

Comitê de Governança de Tecnologia e Segurança da Informação

A PSI foi elaborada pelo Comitê de Governança de Tecnologia e Segurança da Informação da CGE, colegiado que visa promover a implementação de ações relativas à governança de tecnologia da informação, governança de dados e segurança da informação no âmbito da Controladoria-Geral do Estado de Minas Gerais.

Confira aqui a Política de Segurança da Informação na íntegra.

 

Joomla Gallery makes it better. Balbooa.com